Visite www.advogado.adv.br

ESTUDANTES DE DIREITO

 

 

Compare os preços de Livros de Direito

Instrodução ao Estudo do Direito

Direito Constitucional

Constituição Federal

Direito do Trabalho

Direito Administrativo

Direito Tributário

Direito Penal

Código Penal

Código de Processo Penal

Direito Civil

Código Civil

Código de Processo Civil

Direito do Consumidor

Direito de Família

Direito Militar

Direito Financeiro

Direito Econômico

Sociologia Jurídica

Concursos

 

 

Acima ]

 

“VIOLAÇÃO DE DOMICÍLIO"

 

Autor: Acadêmico: Gilson Lopes e Miguel


UNIPLAC – União Educacional do Planalto Central
JURPLAC – Faculdade de Ciências Jurídicas do Planalto Central
Disciplina: Direito Penal III
Gama – 2004

Trata o Art. 150 do Código Penal Brasileiro (CP) de Crime contra a Inviolabilidade do Domicílio. Nesse sentido discorre Pinto Ferreira que a inviolabilidade de domicílio é uma conseqüência imediata da segurança pessoal e do direito de propriedade. A Residência, o lar, o domicílio devem estar ao abrigo das invasões provocadas pelo arbítrio.

Dessa forma, para que ocorra o crime de violação de domicílio é necessário que o agente entre ou permaneça em casa alheia ou de suas dependências, contra a vontade expressa ou tácita do morador. Cabe ressaltar que a permanência é fator necessário para a caracterização do crime.

Assim, qualquer pessoa pode cometer esse crime, até mesmo sem perceber que está cometendo-o. É o caso de o proprietário de imóvel alugado que acha que tem o direito de entrar neste imóvel quando bem quiser. Outro caso, também exemplificado, é o pai, separado judicialmente, que adentra a residência de sua ex-esposa, sem o seu consentimento, com a intenção de pegar os filhos para passear.

A essa pessoa que pratica tais ilícitos chamamos de sujeito do delito, e a que sofre, sempre será o sujeito passivo do crime. Nesse sentido, sujeito passivo é aquele que tem o poder de impedir a entrada de outrem em sua “casa”, não interessando que seja proprietário, possuidor legítimo, arrendatário etc. Cabe salientar que há uma concorrência neste poder investido quanto à prevalência de impedimento de pessoa não desejada em uma “casa”. Dessa maneira, havendo vários moradores, o esposo e a esposa são os titulares desse direito de consentimento, em que prevalece a sua autoridade em relação à dos demais habitantes da casa, mas é bom lembrar que os demais (filhos, netos, sobrinhos, empregador etc) podem admitir ou excluir alguém nas dependências que lhes são destinadas, mas mesmo assim, caso ocorra a discordância entre estas pessoas, prevalecerá a proibição dos titulares de direito (esposo e esposa), assim caracterizando o ilícito penal, constante do Art. 150 do CP.

Tal instituto trás algumas qualificadoras, a saber:

a)                Cometido durante a noite - para o Direito Penal Brasileiro noite corresponde à completa obscuridade ou ausência de luz solar, não há que ser relacionar noite com o repouso noturno. Assim, qualifica-se o crime de violação de domicílio quando o agente invade um ambiente privado, de madrugada, negando-se a retirar-se, mesmo com expresso desagrado do proprietário.

b)               Em lugar ermo – compreende lugar deserto, desabitado, despovoado, afastado, solitário. Considera-se que o agente aproveita dessa situação para cometer o crime em comento.

c)                Emprego de violência – essa violência, quer com uso de arma ou cometido por duas ou mais pessoas, pode ser empregada contra a pessoa ou coisa, as duas qualificam o crime, não há distinção entre elas

Aumenta-se a pena em 1/3 (um terço) quando o fato é cometido por funcionário público, fora dos casos legais em que não há observância nas formalidades constantes em lei, ou caso amparado por lei, haja abuso de autoridade. Assim temo o seguinte exemplo: Agente policial que adentra equivocadamente na casa da vítima, em busca de criminoso, não tendo a diligência domiciliar legitimada pelo mandado da autoridade competente, destarte não houve observância nas formalidades constantes em lei.

Há casos em que entrar e permanecer em “casa” alheia não constitui crime de violação de domicílio. Contudo se o agente, ao contrário do exemplificado no parágrafo anterior, está investido das formalidades legais, não há que se falar em crime. Quando dizemos formalidades legais, aludimos ao que está previsto no Art 5º, XI da Constituição Federal de 1988 (CF/88), que discorre sobre a necessidade de ordem judicial para qualquer diligência, durante o dia, no domicílio. Há excludente de ilicitude, também, quando, a qualquer hora do dia ou da noite, entre na “casa”,  em virtude de crime que esteja acontecendo ou prestes a acontecer.

A CF/88 exclui a ilicitude, mesmo sem consentimento do proprietário, em caso de desastre ou prestação de socorro, configurando, assim, um estado de necessidade.

Por fim, falaremos sobre o termo “casa”. Como se notou em várias passagens o termo CASA veio digitado entre aspas, um destaque proposital, para aqui compreendermos bem a abrangência desse termo dentro do crime violação de domicílio. O termo CASA aparece logo no caput do Art 150 do CP, mas não com a intenção de restringir o crime a apenas ao domicílio familiar, mas sim para deixar claro que ocorre tal crime quando se invade a privacidade alheia. Então CASA para fins penais é todo local reservado à vida íntima do indivíduo ou à sua atividade privada, seja ou não coincidente com o domicílio civil, como também com todo compartimento habitável, ainda que em caráter eventual, coletivo ou não.

Ademais, configura-se crime de violação de domicílio, entrar ou permanecer nas dependências da casa, garagens, pátios, jardins, quintais devidamente separados do exterior.

Por outro lado, o termo CASA não será empregado a hospedarias, estalagem ou qualquer outra habitação coletiva desde que esteja aberta observando a restrição do nº II do § 4º, assim dependência comum de habitação coletiva, tal como motel etc, não é abrangida pelo Art. 150 e, sim faz parte do § 5º, I, desde que aberta. Não constitui CASA, também, bares, sala de aula, isso por que a idéia de proteção tem de estar ligada à privacidade, assim o bar não é um ambiente em que haja privacidade, tanto ao seu proprietário quanto aos freqüentadores. No caso da sala de aula, em que um professor ministra aula a um número indeterminado de aluno, não tem como haver privacidade exclusiva a todos que se encontrem em sala.

Referência bibliográfica:

MIRABETE, Júlio Fabrine, Código Penal Interpretado. São Paulo: Atlas, 1999

Enciclopédia Saraiva do Direito / Coordenação do Professor R. Limongi França. São Paulo: SARAIVA, 1997.

 

 

 

Compare os preços de Livros de Direito

Instrodução ao Estudo do Direito

Direito Constitucional

Constituição Federal

Direito do Trabalho

Direito Administrativo

Direito Tributário

Direito Penal

Código Penal

Código de Processo Penal

Direito Civil

Código Civil

Código de Processo Civil

Direito do Consumidor

Direito de Família

Direito Militar

Direito Financeiro

Direito Econômico

Sociologia Jurídica

Concursos